Segue

Tempo sopra, vento segue o mar revolto em brumas ascende o lar o mar

celeste azul escondidas no refúgio do dia, luz mede e esconde entre o medo

Medo em brasas queima aplaca sombras que pela noite vagam
Movendo luz, sombras bruxelam escorrem e movem-se oscilam
Fogo e brasas, fogo e Sol, fogo e lágrimas
Olhos já não conseguem enxergar por onde vou

 

Corre, escorre sangue, corre, não volte
Corre! Não veja, corre que agora chegam
Aqui perto aqui, dentro, aqui não sou mais

Ergo meu corpo deixo as barreiras, amarras
Saio e as sombras parecem sumir
Ar, respi-ar sentir Sol
Caio no mar.

Advertisements
This entry was posted on November 3, 2017, in Uncategorized. Leave a comment

Liberando maldades e dor…

Contemplando o espelho vejo falhas medos e erros, julgo tudo o que fiz pelo peso das escolhas que tomei, revejo e penso como poderia ser tudo diferente usando como base as escolhas que não fiz e deixo a razão sumir, ri alto sentindo o pânico que me tomava entorpecer minhas costas com a dor que parecia segar, sinto lágrimas que escorrem por minhas faces onde rugas e marcas já fazem delas lar. O tempo parece escorrer como o ar que entra e sai de meus pulmões, não quero mais sentir, não desejo mais saber, não quero mais nada além de sumir…

E as lágrimas continuam lá, assim como o bater do meu coração, a dor não passa e há dias que desejo torpor, desejo esquecer e não sentir mais nada. Nesses dias me escondo em livros e leituras, faço do meu lar outros mundos, escrevo para que o tempo passe e ligo tudo o que posso para abafar ou atordoar o que sinto, minhas mãos tremem.

Não consigo nem lembrar quantas vezes entrei e sai de portas em busca de não sentir mais dor e quero sobreviver esse dilema, porém o julgo de pessoas que dizem-se capazes de julgar o meu caso colocam-me em desespero quando usam o poder que tem, que deveria servir para ajudar, usam-no para julgar sem nenhuma prova ou comprovação de sua opinião vaga que não bate com os fatos clínicos apresentados. Espero que essa pessoa pague, pague com a alma, com dor, com sofrer e pene bonito por escolhas que fazem, pois suas escolhas custam vidas.

Incrível imagino a pessoa se vangloriando sentindo-se Deus por haver ceifado mais uma alma, isso te faz feliz?

This entry was posted on October 19, 2017, in Uncategorized. Leave a comment

Seguir…

1005494_196245850554664_2023023081_n

Tem decisões que não devem trancar caminhos, são decisões que trazem novos horizontes onde não se caminha mais por onde antes parecia ser o certo, a virada pode ser desde uma breve atitude, um olhar, uma mudança de emprego ou da cidade onde se mora, o curso da vida é uma incógnita onde o desfecho não cabe em um sonho. O desvelar da vida traz tamanha euforia, medo, loucura e desejos cujos traços parecem uma obra de arte sem fim…

Porém nem todos os caminhos parecem seguros e o medo toma conta da razão e fecha todas as portas onde o ar parece sumir, pernas tremem e todo o chão parece incerto, pulando entre abismos para quem sabe cair numa escuridão sem fim ou atrelar num novo sonho, expandir os horizontes como o sonhador que corre e pula alçando vôo em uma nova estrela.

Nem tudo na vida é certo e nem todos os caminhos levam a um porto seguro e cabe ao ser humano tentar seguir seu próprio caminho seja esse já percorrido por muitos ou esteja esse rasgando por um vale nunca antes visitado.

 

Corra, pule, alce aquela estrela e siga feliz…

This entry was posted on October 18, 2017, in Uncategorized. Leave a comment

De xistência

Não estou segura e em meu próprio drama
Fechada num labirinto de ecos onde na penumbra sinto o sal do mar que de mim brota…
Exausta, dor segue em penitência…
Sofre comigo paira no ar a tristeza que desola nem aos prantos consola num salutável soluçar
Escorro entre as sobras…
Escorro por entre um rio de lágrimas repleto de solidão…

 

1176345_196170993895483_283726499_n

This entry was posted on September 12, 2017, in Uncategorized. Leave a comment

Nobre Rabela

Observações de uma geração insípida.

Vejo alguns sentimentos andando de mãos dadas. Podes observar por sí mesmo a questão da meritocracia é relativa ao ego inflamado e romântico daquele que diz eu tenho, eu fiz por merecer, este mesmo não viu que o mundo teve que abrir a porta e empurrar com o pé para dentro para que o que por seu mérito veio fosse tangível, o mesmo ocorre com quem tem o hábito do achismo, oh gente pequena!

Vejo tanta gente que se usa do que pensa ou acha sem buscar uma relação com a realidade, esses assim com os cheios de mérito andam pelas ruas julgando todos tendo como base a sua própria chance com a finalidade de dizer a tú cuja chance nunca chegou que a tua era como a deles, que o pulo foi dado por eles e não o mundo que se voltou a acolher suas dores, não busco nem quero que acolha a minha dor, nem que as minhas lamúrias cheguem a causar furor nos corações obtusos daqueles meritogramas abastados presos em suas torres de marfim onde subiram por seus pés e nunca notando o quanto os que ao seu redor  os outros os carregaram no colo para que pudessem subir… alçar vôo

E assim seguem dizendo que “todos os homens nascem iguais” e tentam empurrar a sua sorte goela abaixo do próximo como suprema verdade, como supremo saber… Caia na realidade de suas nuvens onde vivem os teus achismos e deixe de observar tudo pelo ângulo que lhe convém, nada é exatamente como parece nenhuma chance é igual à outra e nunca julgue quem se determinou a passar por outro caminho por seu próprio caminhar, nunca desses devido valor aos que lhe ajudaram já se fecha em méritos, pois qual motivos poderias julgar outrem?

Mete na tua preciosa rabela que o que importa é o caminho que cada um é capaz de trilhar de acordo aa suas próprias chances, e jamais julgue… afinal quem se dá tal despeito merece nada mais que a mesma paga.

 

164244_411177392314314_1004799821_n

This entry was posted on September 11, 2017, in Uncategorized. Leave a comment

Ar Dor

400513_310844175620192_138300309541247_776842_1997748413_n

Enebriada sigo por luz que ofusca meu pensar.

 

Sinto a razão escorrer de mim e sou toda sua
Sigo por linhas que se mostram entreabertas
Desejo o sabor te teus lábios nos meus

 

Procuro no silêncio em que me abrigo e me escondo.
Olhar que me atraí seduz, eleva os sentidos
Sou o mar que cobiça te encontrar

Busca atraí a luz que brilha teu olhar seduz.
Atrela e me leva a sonhar…

 

Dias sem Sol teu olhar meu marte me guia…
Desejo que por minhas pernas escorre… corre
Sentidos que me carregam…
Venha seu rio para meu mar…

This entry was posted on September 5, 2017, in Uncategorized. Leave a comment

Deslize

 

Dor chega aos olhos meus por entre lágrimas que se recusam a cair, dilacera meu peito entorpece minha alma não ter, enlouquece, irrita, maltrata e abala os sentidos, impossível meu ego recusa a permitir impossível.

Perco-me, padeço em lágrimas… Mostro um rosto indiferente, fingindo que não velhos sonhos se estilhaçarem… Distração corre por dentre dedos como areia e sinto você partir…

Ainda aguardo o seu retorno, ainda guardo em mim algum resquício de você. Sinto ao dormir que meu medo ecoa, me aflige com dúvidas, me cega na insignificância da minha humanidade, da minha falha…

Não sou perfeita, não sinto adequação para que essa equação continue algo vindouro… Então me escondo, mantenho fechado, escondido em sigilo e mal consigo abrir sobre o que sinto me perco em medo e dúvidas, a vida passa, as dúvidas só crescem…

 

10169240_10152432934526802_447328164_n

 

This entry was posted on August 23, 2017, in Uncategorized. Leave a comment